Mestrado e Doutorado em Biotecnologia Aplicada à Agricultura

Mestrado e Doutorado em Biotecnologia Aplicada à Agricultura

Sobre o programa

A Universidade Paranaense oferece o Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Aplicada à Agricultura, homologado e recomendado pela CAPES, desde 2006 em nível de mestrado e em nível de doutorado desde 2014. O Programa é voltado para profissionais graduados em Ciências Biológicas, Engenharia Agronômica, Farmácia, Engenharia e Tecnologia de Alimentos, Química, Medicina Veterinária e áreas afins. Avaliado com Conceito 4 na CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, com capacidade própria de financiamento de pesquisas e com docentes bolsistas de Produtividade em Pesquisa do CNPq e da Fundação Araucária (FAP do Paraná). Dos docentes permanentes, 42% têm um ou dois pós-doutorados no Brasil e/ou exterior e 25% têm experiência ou formação acadêmica internacional em diferentes centros de pesquisa ou Universidades internacionais (Itália, França, e/ou Inglaterra). Esta combinação de docentes com diversas formações e experiências tem resultado em sucessivo aumento da publicação científica, superior à média da área de Ciências Agrárias I. O Programa tem compromisso com o desenvolvimento da região na área de Biotecnologia Aplicada à Agricultura, a ciência e a formação de profissionais de alta competência na área de Ciências Agrárias. Desde a sua criação foram concedidos mais de 125 títulos a mestres e doutores para alunos de diversas regiões do país.

O Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Aplicada à Agricultura (PROBIOT) possui desde 2019 duas linhas de pesquisa:

  • Biotecnologia Aplicada à Microbiologia Agrícola

  • Biotecnologia Aplicada ao Melhoramento Vegetal

O Estado do Paraná, com uma participação de 15,5% da produção nacional de cereais, oleaginosas e leguminosas, segundo o último censo agropecuário realizado em 2017 (IBGE, 2018), e o segundo maior Estado produtor de grãos, atrás apenas do Estado do Mato Grosso, tem uma necessidade constante de investimentos em processos biotecnológicos como o desenvolvimento do melhoramento agrícola, e das condições locais de produção, do controle ao estresse ambiental, aproveitamento de resíduo agroindustrial, controle biológico de pragas e doenças, microrganismos promotores de crescimento vegetal, entre outros ligados à biotecnologia.

Os alunos do Programa são provenientes dos estados da região sul como Rio Grande do Sul e Santa Catarina, diferentes regiões do Paraná,  e de outros estados do Brasil como São Paulo, Amapá, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. O Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Aplicada à Agricultura em nível de mestrado e doutorado integra o conjunto de processos formativos da Instituição, voltado para a capacitação e aperfeiçoamento na área de ciências agrárias. A vinculação de alunos de graduação nas publicações é também expressiva. Em 2019, das 203 produções intelectuais, 164 possuem vinculação discente como autores, o que representa 81% das produções bibliográficas com participação discente. Isto demonstra a forte integração das atividades de pesquisa realizadas no Programa com a Iniciação Científica com os alunos de graduação.

Do corpo docente, 42% têm um ou dois pós-doutorados no Brasil e/ou exterior e 25% têm experiência ou formação acadêmica internacional em diferentes centros de pesquisa ou Universidades internacionais (Itália, França, e/ou Inglaterra). A formação acadêmica é diversificada e proveniente de Universidades como Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Universidade Estadual Paulista (UNESP/Warwick University/HRI da Inglaterra), Universidade Estadual de Londrina –(UEL/Institut National de la Recherche Agronomique da França), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Universidade Federal de Lavras (UFLA), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Universidade Estadual de Maringá (UEM), Universidade Paranaense (UNIPAR) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Esta combinação de docentes com diversas formações e experiências tem resultado em sucessivo aumento da publicação científica, superior à média da área de Ciências Agrárias I. 

O Programa possui uma forte interação com empresas de pesquisa agrícola e realiza anualmente o Simpósio em Biotecnologia Aplicada à Agricultura. Este é um momento em que egressos e profissionais do mercado trazem informações sobre as necessidades do mercado brasileiro em relação à biotecnologia agrária.

Outro ponto forte do Programa são os convênios consolidados por expressiva publicação científica com diversas Instituições como a Universidade de Belgrado da Sérvia; Instituto de Investigaciones Biotecnológicas e Instituto Tecnológico de Chascomús, da Argentina; El Colegio de La Frontera Sur, Unidad Tapachula, do México; Polytechnic Institute of Bragança, Mountain Research Centre, School of Agriculture, de Portugal; Katholieke Universiteit Leuven, da Bélgica; e Universidad de la Republica do Uruguai.

O Programa dispõe de um programa de integração da pós-graduação com a  graduação que tem resultado em um número expressivo de publicações e um maior interesse de alunos de graduação na carreira acadêmica como pesquisador ou docente. O corpo docente do Programa é da própria IES, resultado do planejamento para desenvolvimento de grupos e linhas de pesquisas de excelência, o que insere maior consistência ao Programa. Este processo iniciou em 2000 e apresenta bons resultados de publicação evidenciando o investimento da IES no Programa. O resultado é perceptível no número e na qualidade de publicações do Programa em revistas indexadas com classificação Qualis Internacional da Capes para Área de Ciências Agrárias I por docente por ano, sendo historicamente superior à média nacional na área de Ciências Agrárias I. O grupo é forte cientificamente com maior expressão quantitativa e qualitativa na publicação de artigos científicos. A participação de discentes autores vêm aumentando desde a primeira avaliação da CAPES, evidenciando que o grupo é capaz de manter bons índices de publicação internacional com seus alunos. Os docentes têm sido contemplados com auxílio de Agências de Fomento Estadual e Federal ou ainda da própria IES para a participação de eventos no Brasil ou no exterior e para execução de pesquisas. Estes aspectos evidenciam a capacidade de financiamento de pesquisas, além das oferecidas pela própria IES, e de que há qualidade dos projetos de pesquisa verificada pelos pares nas agências de fomento em nível Estadual e Federal. Diversos docentes têm obtido bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq ou da Fundação Araucária (FAP do Paraná) e/ou têm pós-doutorado e/ou formação no exterior.

Coordenador

Nelson Barros Colauto (Coordenador do Programa) (nbc@prof.unipar.br)

Situação legal - Mestrado

Curso de Mestrado recomendado pela CAPES e reconhecido conforme Portaria MEC nº 609, de 14 de março de 2019, publicada no D.O.U. nº 52 – Seção 1, pp. 63 e 86 de 18 de março de 2019.

Situação legal - Doutorado

Curso de Doutorado recomendado pela CAPES e reconhecido conforme Portaria MEC nº 609, de 14 de março de 2019, publicada no D.O.U. nº 52 – Seção 1, pp. 63 e 86 de 18 de março de 2019.

Público

Graduados em cursos reconhecidos pelo MEC, nas áreas de Ciências Biológicas, Engenharia Agronômica, Farmácia, Química, Engenharia e Tecnologia de Alimentos, Medicina Veterinária e áreas afins.

Objetivos

Consolidar atividades científicas em Biotecnologia Aplicada à Agricultura, formando profissionais destinados ao ensino, pesquisa e atuação no setor produtivo, com capacidade para produzir, divulgar e utilizar conhecimentos relevantes à biotecnologia aplicada.

Investimentos

Mestrado: 30 parcelas de R$ 1.546,00

Doutorado: 30 parcelas de R$ 2.090,00

Este valor é para a seleção do ano de 2020, a Universidade reserva-se o direito de fazer alterações em decorrência de exigências de ordem legal ou econômica.

Programa Institucional de Treinamento Docente e Técnico-Científico (PIT)

A bolsa PIT é oferecida aos dez primeiros colocados que efetivarem matrícula no Curso de Mestrado em Biotecnologia Aplicada à Agricultura e aos cinco primeiros colocados que efetivarem matrícula no Curso de Doutorado em Biotecnologia Aplicada à Agricultura. A bolsa para a seleção de 2020 será de R$ 250,00 por um período de 30 meses. O aluno fica condicionado a não reprovação, assiduidade, participação de todas as atividades do curso, organização de eventos, palestras, atividades de pesquisa e orientação de alunos de iniciação científica.

Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições de Ensino Particulares (PROSUP)

O benefício é oferecido aos alunos matriculados no Curso de Mestrado e Doutorado em Biotecnologia Aplicada à Agricultura e tem a duração de 12 meses podendo ser renovado por mais 12 meses. Não é possível acumular outras bolsas, como a PIT, mas é possível ter vínculo empregatício. Candidatos sem vínculo empregatício tem prioridade absoluta na distribuição do benefício da CAPES a qualquer momento. Cada caso será analisado pelo Colegiado do Programa. A disponibilidade do benefício PROSUP fica sujeito à liberação da CAPES e será publicado em Edital.

Regulamento

O Regulamento do Programa de Pós-graduação em Biotecnologia Aplicada à Agricultura, em nível de Mestrado e Doutorado, foi definido pelo Colegiado do PROBIOT, referendado pela Coordenação de Pós-graduação Stricto Sensu, pela Diretoria de Pesquisa e Pós-graduação, e aprovado pelo Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade Paranaense.

Fichas de Avaliação do Programa pela CAPES

Horário de Atendimento

Seg. à sex. das 8h30 às 12h e 13h às 17h30
Sáb. das 08h30 às 12h30
Ou ligue: 0800 601 4031